Pesquisadora da DPRJ, Carolina Haber, apresentou o resultado da pesquisa.
08/03/2018
1º Diagnóstico de Gênero da DPRJ traz realidade de defensoras e servidoras no Dia Internacional da Mulher

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, foi lançado na ADPERJ o 1º Diagnóstico de Gênero da Instituição. A pesquisa compilou as respostas de 405 participantes, sendo, 186 defensoras públicas e 219 servidoras da Defensoria Pública fluminense.

De acordo com os dados, 56% das defensoras públicas ouvidas já vivenciaram alguma reação negativa por parte das pessoas que buscam os serviços da instituição pelo fato de ser mulher. Já 46% delas sentiram o mesmo por parte de outros profissionais do sistema de Justiça.

Para 59% das defensoras participantes da pesquisa suas opiniões ou ponto de vista já foram minimizados em reuniões de trabalho. E ainda: Quase metade delas (48%) afirmou ter sido vítima de comentários inapropriados e ofensivos durante o expediente. No caso das servidoras essa percentagem é de 42%.

Ainda de acordo com a pesquisa, a grande maioria das defensoras públicas (79,5%), e a maior parte das servidoras (66%), acha que a sua vida pessoal é mais afetada pelo exercício da profissão do que a de seus colegas homens. No âmbito doméstico, as participantes afirmaram dividir as tarefas com outros membros da família, mas a responsabilidade, 75% do trabalho, ainda pesa sobre elas.

Outro ponto importante do Diagnóstico tratou da maternidade. De acordo com os dados, 77% das defensoras tem filhos contra 44% das servidoras. “O cuidado das crianças foi um tópico trazido pelas participantes, que de forma geral se sentem sobrecarregadas, especialmente na volta da licença maternidade. O Diagnóstico aponta que 52% das defensoras, e 62% das servidoras sentiram dificuldades para retornar ao trabalho após a licença. Muitas também apontaram como problema a falta de espaço para aleitamento dos filhos e acondicionamento de leite no local do trabalho” – explicou a pesquisadora da DPRJ Carolina Haber.

Instituição de maioria feminina

Hoje, dos 794 defensores ativos, 532 são mulheres, o que representa 67% do total. No caso dos funcionários, dos 1.440, 857 são mulheres, correspondendo a 59% do quadro.

"O Diagnóstico é uma ferramenta importante de autoconhecimento institucional e, por isso, tem um potencial enorme de transformação, através da formulação de políticas institucionais específica para a realidade feminina. Essa iniciativa é fundamental, especialmente para a Defensoria Pública, a mais feminina das instituições que compõem o sistema de Justiça fluminense” – explica a Presidente da ADPERJ, Juliana Bastos Lintz.

O Diagnóstico foi promovido em parceria entre a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, as Associações dos Defensores e dos servidores da Defensoria, ADPERJ e ASDPERJ, e o Fórum Justiça.

Veja na íntegra.



COMPARTILHE: